Muitas empresas acabaram migrando para o ambiente digital a fim de usufruir da facilidade do e-commerce. Mas você sabia que isso também é tributado? Os tipos de imposto variam de acordo com a natureza do e-commerce, por exemplo:

Uma loja exclusivamente virtual, que compra e revende produtos pela internet, assim como uma loja física, paga ICMS (imposto estadual que incide sobre a circulação de mercadorias), PIS e COFINS (sobre o faturamento) e IRPJ e CSLL (sobre o resultado operacional). Já quando a loja é mais um canal de vendas de uma loja física, além dos impostos que incidem sobre o e-commerce, o comerciante que também é fabricante ou importador precisa pagar o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados).

O prestador de serviços também paga IRPJ e CSLL sobre o resultado operacional, além de ISS (imposto municipal que incide sobre serviços de qualquer natureza), PIS e COFINS sobre o serviço prestado – impostos podem ser retidos já na fonte.

E-commerces de menor porte e os impostos reduzidos: O empreendedor que chegou até aqui pode estar assustado com a quantidade de impostos a pagar. Como, então, deixar a sua loja virtual no azul, sem inviabilizar as suas operações?

Sabendo da dificuldade que é para o pequeno e microempreendedor manter o pagamento da complexa tabela de impostos brasileiros, o governo mantém alguns programas que facilitam a rotina de quem tem um pequeno negócio. Eles também são válidos para os donos de lojas virtuais.

Fonte: blog asaas

Open chat
Fale conosco!